Home > Notícias > Em Bagé, vice de Bolsonaro defende fim da estabilidade no serviço público

Em Bagé, vice de Bolsonaro defende fim da estabilidade no serviço público

General Antônio Hamilton Mourão Declarou Que Pretende Fazer Uma Profunda Reforma No Estado E Foi Festejado Por Cerca De 2,5 Mil Pessoas Na Associação Rural Da Cidade


Em Bagé, vice de Bolsonaro defende fim da estabilidade no serviço público
Foto: Fernando Gomes, Agencia RBS

Zero Hora

Recebido aos gritos de “mito” e tendo na mão um rebenque como o usado por ruralistas para hostilizar militantes petistas em março, durante a caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pelo Rio Grande do Sul, o candidato a vice de Jair Bolsonaro (PSL), general Antônio Hamilton Mourão (PRTB), palestrou na noite desta quarta-feira (26) para cerca de 2,5 mil pessoas na Associação Rural de Bagé. 

Mourão defendeu a revogação da estabilidade no serviço público e uma profunda reforma do Estado, com prioridade à saúde, segurança, educação e agronegócio.

— Por que uma pessoa faz um concurso e no dia seguinte está estável no emprego? Ela não precisa mais se preocupar. Não é assim que as coisas se comportam. Tem que haver uma mudança e aproximar o serviço público para o que é a atividade privada — afirmou Mourão.

Comparando o Brasil a um “cavalo maravilhoso que precisa ser montado por um ginete com mãos de seda e pés de aço”, Mourão criticou o que considera travas para o país, como a elevada tributação, o excesso de leis, o “ambientalismo xiita” e a “hegemonia do politicamente correto”.

— Temos uma crise de valores, resultado de mais de 30 anos de processo de desconstrução da identidade nacional provocada por uma intelectualidade. Perdemos a alegria de brincarmos um com os outros — declarou.

Para Mourão, a educação virou guerra ideológica. O vice de Bolsonaro reclamou do ensino ministrado ao neto de 10 anos, que tem aulas de filosofia, e pregou a adoção de valores morais. Ele também defendeu investimentos pesados em infraestrutura, logística, e o uso da tecnologia para aproximar o Estado da população.

— Por que preciso gastar dinheiro com uma campanha de vacinação? Todo mundo tem celular, basta mandar uma mensagem: “vacine seu filho hoje” — exemplificou.

O general propôs uma reforma política que diminua o número de partidos e adote o voto distrital. Criticou os governos Lula e Dilma Rousseff. Citando os sucessivos escândalos de corrupção, pediu o fim do foro privilegiado e uma reforma na lei penal que garanta “direitos humanos a humanos direitos”. 

Mourão também disse que “a democracia, por pior que seja, ainda é o melhor de todos os sistemas” e falou que Bolsonaro está em uma missão cívica:

— Ele não está nisso pelas próximas eleições. Ele está nisso pelas próximas gerações.

Aplaudido a cada vez que criticava partidos e políticos de esquerda, Mourão disse que o Brasil não corre o risco de se tornar uma Venezuela — em referência a uma citação do programa eleitoral de Geraldo Alckmin (PSDB), que comparou Chávez a Bolsonaro — porque as Forças Armadas não serão cooptadas pelo comunismo. 

O general falou por quase 50 minutos. Ao final, citou o lema estampado na bandeira nacional para salientar que “o governo tem que fornecer a ordem e cada indivíduo, o progresso”, sendo ovacionado pelo público e aplaudido em pé.

Reunião Com Sindicatos Rurais

Antes da palestra, Mourão reuniu-se a portas fechadas com alguns presidentes de sindicatos rurais e autoridades da região. No mesmo salão onde em 15 de março havia sido organizada a reação hostil à visita de Lula, na primeira parada de sua caravana pela região, o vice de Bolsonaro foi aplaudido de pé pelas quase 300 pessoas que lotavam o local. Na parede, a lista dos 14 sindicatos rurais presentes expressava o sentimento antipetista. No lugar do número 13 ao lado da décima terceira entidade, havia a soma 12+1.

Do lado de fora, um Landau 1972 aguardava Mourão. O veículo pertenceu ao ex-presidente Emilio Garrastazu Médici, natural de Bagé. Antes de embarcar no carro, o candidato falou à imprensa. Disse que não iria comentar a foto postada mais cedo por um dos filhos de Bolsonaro, simulando a tortura de um opositor do candidato.

— Não vi a foto, então não vou comentar. A partir do momento que você se torna candidato, tem que tomar cuidado com algumas  coisas que diz — afirmou, referindo-se à relação com Bolsonaro e as polêmicas da campanha.

Mourão recebeu do prefeito de Bagé, Divaldo Lara (PTB), um rebenque e uma foto tirada de um ginete durante os protestos à caravana de Lula, em março, quando ruralistas e petistas entraram em confronto na cidade. Na ocasião, os produtores utilizaram esse tipo de instrumento, usado em animais, para agredir os simpatizantes de Lula.






NOSSOS

PARCEIROS