Home > Notícias > Dissídio Coletivo dos empregados da Ebserh é distribuído junto ao TST

Dissídio Coletivo dos empregados da Ebserh é distribuído junto ao TST

Assessoria jurídica da Condsef/Fenadsef informou que a petição já está no Tribunal Superior do Trabalho. A proposta dos empregados para o próximo ACT será apresentada à Ebserh até o dia 30 de dezembro


Dissídio Coletivo dos empregados da Ebserh é distribuído junto ao TST
Foto: TST Divulgação

Condsef/Fenadsef

Foi protocolada junto ao Tribunal Superior do Trabalho (TST) a petição do Dissídio Coletivo dos empregados da Ebserh. A informação é da assessoria jurídica da Condsef/Fenadsef que é uma das suscitantes do processo junto com as federações nacionais dos Enfermeiros e dos Farmacêuticos. A audiência inicial depende de agendamento do próprio TST e a categoria deve aguardar a próxima etapa desse processo. No início desse mês, representantes dos trabalhadores da Ebserh de todo o Brasil estiveram reunidos em Brasília, na Plenária Nacional do setor.

Além de fazer um balanço do processo de negociações do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) 2019/2020, a categoria promoveu a construção da pauta do ACT 2020/2021. A proposta dos empregados para o próximo ACT será apresentada à Ebserh até o dia 30 de dezembro. 

>> Confira conteúdo do Dissídio Coletivo dos empregados da Ebserh (ACT 2019/2020)

Durante a construção da pauta, os trabalhadores incluíram e modificaram cláusulas do ACT anterior. A intenção é manter direitos e avançar em pontos considerados prioritários aos empregados. Para a categoria o processo de negociações que levou o ACT esse ano a dissídio foi marcado pela desvalorização e falta de diálogo da empresa com os empregados.

O TST tentou mediar o processo que, desta vez, não alcançou consenso. No Tribunal, o advogado da Condsef/Fenadsef, Valmir Vieira de Andrade, registrou indignação com o fato de que os empregados tenham que recorrer com frequência ao TST e que tenham sempre que abrir mão de direitos na negociação. Este foi o sexto ano em que as entidades sindicais precisaram buscar auxílio junto ao órgão.






NOSSOS

PARCEIROS