Foto: Evaristo Sa/AFP

Ao que tudo indica, o superministro da economia deverá abandonar sua obstinação da austeridade a qualquer custo. O teto de gastos, estabelecido pela EC 95, tem responsabilidade pelas 165 mil mortes na pandemia, assim como pela recessão que levou 14 milhões de pessoas ao desemprego. Para aquecer a economia e combater a segunda onda do novo coronavírus é necessário revogar o congelamento do teto de gastos orçamentários.

Em dois momentos Paulo Guedes deu sinais que não conseguirá manter a política econômica do austericídio. Na primeira ocasião, afirmou que caso a segunda onda do vírus se confirme podem surgir medidas para aumentar os gatos além do limite estabelecido anteriormente. Esta semana o ministro da Economia comentou novamente que pode desindexar o orçamento da EC 95, desde que o Congresso aprove a flexibilização do teto.

A segunda onda da Covid-19 já é uma realidade em muitos estados. Além disso, as urnas mostraram à Bolsonaro que ele precisará lançar mão de todos os recursos para manter a sua popularidade. A flexibilização do teto de gastos está mais próxima, depende de quanto tempo Paulo Guedes e os agentes do sistema financeiro vão insistir em uma política econômica já descartada neste momento pela maioria das nações capitalistas desenvolvidas.

Publicado originalmente no Portal Vermelho